© 2017 por Sifrá Parteria.

Criado por Henrique Ignácio Junior.

Siga-nos

Entre em contato conosco!

  • Facebook ícone social
  • Instagram
Email para contato:
sifraparteria@gmail.com
RELATO DE PARTO - SHAYENE E LUARA

[TEXTÃO] [15 dias de Luara] [RELATO DE PARTO] [Nascimento 24/02/2019]

 

Quem me conhece sabe que sempre aguardei a chegada de uma menina em minha vida. A descoberta da gestação da Luara não foi recebida da melhor forma possível e quem de fato é próximo a mim sabe de todas as dificuldades encontradas.

Passei a gestação toda sendo “sustentada” pelo amor e carinho de uma rede de pessoas incríveis! Minha família e meus amigos fizeram de tudo para que a chegada de Luara fosse mais leve e mais bem aceita. A gente sempre diz: “Como pôde acontecer isso comigo?!”, “Como pude acreditar em tudo aquilo?!”, mas na realidade o tempo é o senhor de tudo e só ele vai ser capaz de responder algumas questões... (Esse “desabafo” vai fazer algum sentido durante o relato).

 

[Dia 21/02/2019]

Acordei ótima e fui atender uma gestante com contrações, passei o dia com ela na maternidade e todo mundo que passava se assustava em me ver atendendo. Rsrs

 

[Dia 22/02/2019]

Chegamos na casa dela para que ela pudesse descansar.

Adivinha quem começou a contrair enlouquecidamente e sentir uma puta dor na virilha do lado direito?!

Isso! Eu mesma. 

Minha cliente super compreensiva (já tínhamos conversado sobre essa possibilidade). A gente não sabia se ria, se chorava ou respirava durante as contrações. Kkkkkkkkkkk voltamos para o hospital e na mesma hora a enfermeira do acolhimento me olhou, riu e disse: “Vocês vão parir juntas.” E foi quase isso.

 

[Dia 23/02/2019]

Acordei e disse pra Thay: “Estou exausta, me sentindo diferente, ainda bem que minha mãe vai sair com os meninos e eu vou conseguir descansar um pouco.” E ela na hora disse assim: “Será que é hoje?! Anda logo Luara! A tia vai viajar e quer te ver antes. Rsrs”

Tia Thay estava quase certa. Kkkkk Poucos minutos depois senti uma contração, segurei no móvel da cozinha, respirei, sorri e Thay na hora olhou o relógio, sorriu de volta e disse: “Contração né? Isso aí sereia!”. Caímos na gargalhada, tive mais duas contrações depois dessa e só. A casa esvaziou, eu dormi, as pessoas voltaram, saíram novamente e eu fiquei sozinha com o Raí aguardando a Vivi com a Samantha pra fazer minha consulta de pré natal. Elas chegaram por volta de 19h, colocamos todos os assuntos em dia, conversamos sobre a violência obstétrica que sofri no meu pós parto do Arthur e o quanto isso tinha me travado em alguns momentos da gestação, iniciamos a consulta de fato por volta das 20h. 

Pressão, ok, ausculta de Luara, ok, posicionamento de Luara, “Meu Deus! Olha onde está a cabeça dessa garota! Olha Vivi!” disse a Samantha. Vivi olhou e todas gargalhamos. A sereia estava aguardando tia Vivi e suas “bruxarias”para vir ao mundo. Hahaha 

Vivi perguntou se poderia fazer moxa em mim, eu disse que sim e com 5min de moxa eu inicio os pródomos do TP. Contrações foram ficando regulares, cada vez mais doloridas... 

Mandei mensagem pra Thay e disse: “Quando sair do jogo corre pra casa que Luara vai nascer!”

A família regressou ao lar para aguardar a chegada da tão sonhada e aguardada menina.

 

[Dia 24/02/2019]

Acho que Isabella chegou umas 2:30h, eu estava indo ao banheiro, a abracei e sinceramente não me lembro o que respondi a ela.  

A casa toda no escuro, Vivi passou uma sinergia em mim que “Creio em Deus pai!” Que p#@$& era aquela que me virou do avesso. Kkkkk Comecei a sentir muito incômodo e meu corpo praticamente me obrigava a agachar.

Falei pra Bella: “Vou dormir!”. Ela foi comigo até o meu quarto, catei dois travesseiros, fiquei de quatro e dormi. (SIM, EU DORMI NO TP E FOI ÓTIMO) Foi um sono tão pesado que nem sei quanto tempo eu dormi. Rsrs Sei que eu acordei com uma puta contração, meu corpo pediu pra levantar e minha bolsa rompeu às 5h. (Nunca vi tanto líquido na vida!)

Daí em diante o TP começou de fato. Uma bela sequência de agachamentos, fica de 4, levanta, chuveiro, banqueta, puxos involuntários durante as contrações e nada de Luara. Minha cabeça não parava de funcionar e estava começando a perceber que a fortaleza “intocável” que criei durante a gestação estava me atrapalhando. Não lembro exatamente o horário mas lembro da minha doula Ana chegando e parecia que eu estava vendo a luz naquele abraço, e que luz meus caros... Voltei pra banqueta,  até que eu e Thay falamos: “Cadê o Léo Santana pra essa garota nascer logo?” Vivi, Ana e Samantha riram e falaram: “Então coloca o Léo Santana da garota!” Colocamos. Luara surpreendentemente começa a descer a cada palavra desce da música dele.  Luara ouviu: Crush blogueirinha, Solinho da Rabeta, Rala rala, Dono da porra toda, entre outras. Hahaha (Fiz uma playlist toda fofa e ela quis saber da fuleragem). Logo depois resolvi ir para o chuveiro e só o olhar da Ana disse: “Chora! Desabafa! Desconstrói!” e foi isso que aconteceu. Nós duas no banheiro, logo depois entrou a Vivi e eu só sabia chorar e lembrar à Luara o quanto ela é querida, o quanto eu esperei e batalhei pela sua vida... Chorei porque precisava desconstruir e eliminar o sofrimento eu estava ali desde que descobri a gestação e ouvi do progenitor: “Você vai ter que tirar! Não quero essa criança!” e naquela manhã, dentro daquele carro, olhando aquele “homem”, na minha cabeça só se passava: “Como você pôde acreditar em tudo aquilo que foi dito por quase um ano?”, “Como você foi burra em acreditar em todas aquelas promessas!”.

Nunca senti tanto ódio de mim... E era isso que pairava em meus pensamentos no momento do meu TP e só “acabou” depois de muito, mas muito choro e apoio de quem estava ao meu redor. Saí do chuveiro, Ana me enxugou, Vivi me olhou no fundo dos olhos e após isso a cada dois passos era uma puta contração. 

Iniciamos com o rebozo e... Santo rebozo. Voltei pra banqueta, mais choro, mais contrações, colo de mãe, colo de filho e a certeza de que quem de fato importa estava ali. Estava me dando apoio, suporte e aguardando ansiosamente para ver o rostinho dela.

“Quero a piscina, a banqueta está me incomodando.” Fui. Fiquei de quatro, debruçada na borda de mãos dadas com a Samantha enquanto a Ana molhava minha lombar... Tentei sentar, não consegui por muito tempo, voltei para a outra posição e dormi novamente. Me lembro de muitas contrações e eu cochilando entre elas e vocalizando o tempo todo. Ana de mãos dadas comigo, pergunto: “Pq está demorando tanto? Está tudo bem?” (Meu subconsciente dizia que sim mas a fragilidade me fazia “duvidar”), Ana responde que sim, alguns minutos depois falo: “Está queimando.”, Ana sorri, fala pra Vivi, mais umas 5 contrações ouço alguém dizendo: “Está nascendo!” (estava todo mundo almoçando), Vivi pede o espelho para Samantha e no espelho da pra ver o rostinho dela.  Mais uma contração, um grito, um alívio na alma, sinto cada pedacinho dela nascendo e finalmente Luara chega em meus braços às 12:32h do dia 24/02/2019 com 48cm, 3,590kg, cheia de vérnix, com a Bisa cortando o cordão umbilical, transbordando meu coração de amor e completando o meu LAR.