RELATO DE PARTO - ANA E VÍTOR 

[relato de parto domiciliar planejado] [Minha cura, minha libertação]

E finalmente chegou o grande dia... Minha filha da promessa chegou para alegrar nossas vidas.
Filha que me foi prometida por Deus, através de um sonho... Que veio pra mostrar que nem tudo iam ser flores, mas que viria para nos fortalecer, como pais, como marido e mulher.

Gestação planejada, desejada e muito esperada... Logo de cara tivemos nosso positivo... Felicidade nos definiu naquele momento.
Nossos planos já estavam traçados... Nosso bebê prometido iria nascer em casa, cercado de todo amor e conforto do nosso lar... Não existia nenhuma chance de parir numa maternidade... O pavor de sofrer violência obstétrica mais uma vez, de negarem a entrada do Vitor para acompanhar o nascimento, de ter meu bebê afastado de mim, era algo inconcebível pra nós.

Com 5 semanas de gestação já tínhamos escolhido nossa equipe... Sifrá Parteria ... Mulheres maravilhosas que iriam embarcar conosco nessa jornada e que estiveram ao nosso lado desde sempre, mesmo com todos os obstáculos que tivemos no caminho... Sempre conosco, nos dando força e nos apoiando... Meriene Gomes, Luana Mello, Jemima de Souza, Carolina Costa Pacheco, Vivianne Silva, Isabela, Marcela, Samantha Dos Reis... Gratidão será eterna.

Com 6 semanas de gestação o primeiro susto... Sangramento gigante... Internação, ultra mostra um hematoma gigante, maior que o saco gestacional onde estava um embrião pequenino que batia um coração minúsculo.
Repouso, medicação e muita fé nos sustentaram nas semanas seguintes...
Nosso pequeno milagre passou na primeira prova...
Chegamos as 12 semanas... Outro sangramento... Corre pro hospital... ultra de emergência... bebê bem, graças a Deus... Um pouco mais de repouso... Mais uma prova superada.
Eu já sabia que não ia ser fácil... O SENHOR já tinha me alertado... Só não tinha noção de quão grande ia ser a prova...

Com 14 semanas e 4 dias estava indo buscar Samuel na escola por volta das 15:40, quando fui atropelada por um carro... Desespero me definiu naquele momento... Fui atingida por um carro que dava ré em alta velocidade... Fui arremessada pelo menos a uns 5 metros do veículo... Bati forte a cabeça no chão, rolei e ralei braços, costas... Minha coluna foi o ápice da dor... Aguarda o SAMU, entram em contato com minha tia, direcionam Samuel pra casa de um parente, vou parar no hospital Albert Schweitzer...
Começa o jogo de empurra... Traumatologia me manda pra ortopedia, ortopedia me manda pra obstetrícia, volto pra traumatologia, ortopedia me dá "alta" mesmo eu falando da coluna... Obstetrícia avalia nosso bebê... Graças a Deus tudo bem com nosso pequeno milagre.
Por volta das 19:30, depois de ter certeza que nosso bebê estava bem, entro em contato com o Vitor (até esse momento o homem não sabia de nada).
Vitor consegue chegar no hospital perto das 22:00... Passei quase 6 horas pranchada, sem nenhum medicamento pra dor... Quando o vi só pedi pra me tirar dali.
Vitor já vinha se comunicando com o plano de saúde... Como o hospital não tinha como dar um laudo necessário para fazer a minha transferência, Vitor me tirou a revelia e me levou para o Caxias Dor...
Outro tratamento a partir daí... Logo fui medicada, passei a noite monitorada no CTI... Vitor passou todo o tempo ao meu lado...
De manhã mando msg pra uma das nossas enfermeiras, pedindo pra elas não abandonarem a gente, rsrs( lembra Meriene? Rsrs).
Foi um grande susto, mas passou, pq Deus tinha um propósito muito maior para nós.

Finalmente tivemos momentos de calmaria... A gestação seguiu seu curso com tranquilidade.
Optamos por não saber o sexo do bebê, mas na ultra morfológica, com 23 semanas, os irmãos insistiram muito e acabei cedendo a curiosidade deles... E assim descobrimos que nossa pequena Ana estava a caminho... E por tantas provas superadas, seu segundo nome não poderia ser outro se não Vitória...

Minha pequena apelidada de pipoca só vivia pulando... Desde sempre mostrando que era diferente dos irmãos... Já mostrando sua forte personalidade desde o útero... Já avisando que tudo ia ser diferente.
Seguimos fazendo o pré Natal com a equipe de parto domiciliar e na clínica da família...

Como não podia faltar uma emoção no final, com cerca de 36 semanas tive prodromos bem doloridos, uma possível perda de líquido e a chance do parto domiciliar ir pelo ralo, já que nessa idade gestacional, o bebê ainda é considerado prematuro... Mas como eu já tinha falado com a equipe, ela só quis fazer uma gracinha, pq ela veio pra causar, rs.

Reta final chega... Por mais que saiba que a ansiedade só atrapalha, era impossível não ficar ansiosa.
Tudo preparado pra receber nossa pequena em casa... Minha única preocupação era ter um trabalho de parto muito rápido e não dar tempo do Vitor chegar...
Foram dias difíceis... Ansiedade cada vez que Vitor saia pra trabalhar... Só conseguia relaxar quando ele chegava... Dias de muita conversa com nossa pequena e muita oração com Deus, pra que tudo fosse de acordo com a vontade dEle.

E chego às 37 semanas... 38...39... Hiii, vai ser do contra igual a Sabrina, que só veio na prorrogação do segundo tempo! Rsrs.

Quinta-feira, 08/02/2018... Aniversário da nossa igreja, véspera do aniversário da tia Fabiana, papai de folga... Não poderia sido mais perfeito... Por volta das 10:00 sinto a primeira contração... Opa, essa veio diferente. Começo a observar.
Contrações a cada 15 minutos... Espaçadas, pouco doloridas, mas já mostrando que podia ser o início da coisa.
Sempre dizem que no dia do parto a mulher fica elétrica... É verdade. Fui pra cozinha, fiz almôndegas, cozinhei legumes, fiz gelatina, limpei a geladeira, arrumei umas coisas, brinquei com Samuel e Sabrina, lavei roupa, passei roupa, cuidei dos bichos...
Vitor tinha ido ao banco de manhã... Chegou na hora do almoço, almoçamos juntos, contrações começaram a apertar um pouco, mas ainda estavam espaçadas... Marido vibra... "É hoje, é hoje"... Kkkkkkkkkkkkkkk
A tarde resolvi avisar a equipe que tava rolando umas contrações, mas que ainda estavam espaçadas e suportáveis, mas que já estava saindo bastante tampão com sangue.
Vitor vai no mercado comprar umas coisas para o lanche e me trás meu último desejo, abacaxi.
Por volta das 19:00 a coisa começou a ficar melhor... Vou pro chuveiro, agacho, marido faz massagem na lombar...
Equipe é avisada que a coisa começou a ficar mais forte...
Vitor enche a piscina, organiza algumas coisas... Tento descansar na nossa cama nesse momento.
Luana chega primeiro, auscuta Ana, mede pressão, tudo tranquilo...
Sigo no nosso quarto... Começa a ficar difícil me manter deitada ou sentada durante a contração... Levanto, agacho, rebolo e as contrações começam a ficar mais fortes, apesar de continuarem espaçadas.
Volto pro chuveiro, Flavinha chega (nossa fotografa)...
Peço pro Vitor só avisar as nossas Doulas quando o bicho pegar (hahaha), desculpa aí Paula Inara R Melo e Vanessa Pangaio.
Saio do chuveiro... A água ajuda, mas me sinto abafada no box.
Volto pro nosso quarto, Meriene chega com Samanta por volta das 22:00 e como ela mesmo disse, trouxe a ocitocina com ela...
Contrações começaram a ficar bem fortes... Mas ainda espaçadas...
De joelhos na beira da cama e agarrada no Vitor é como consigo ficar na hora da contração... De tempos em tempos o coração da Ana é auscutado...
Apesar de toda a dor, conseguimos brincar, falar abobrinha, rir... Pq a dor do parto não é uma dor ruim é ela que está trazendo minha filha da promessa. Mesmo em meio ao caus, eu continuei palhaça como sempre fui, kkkkkkkkkkkkkkk.
Reclamo com equipe e marido por estarem rindo... Peço perdão a Flávia por ter encorajado ela a parir(fui Doula dela no parto do Miguel)... Aviso as mulheres da equipe que a vez delas vai chegar e que eu TB vou rir... Kkkkkkkkkkkkkkk...

22:47, última msg da Luana falando no nosso grupo de WhatsApp que eu estava contraindo duas em cada 10 minutos... (Devia ter pedido pra alguém avisar pras minhas Doulas virem nesse momento, pq o marido esqueceu... Entrou na partolandia comigo e ali ficamos, juntos até o fim.)

Aí a coisa ficou séria... Entrei na partolandia finalmente... Contrações sinistras uma em cima da outra... Pedi pra fecharem a janela do quarto (não queria assustar os vizinhos com meus gritos, rs). Agarrada na cintura do Vitor eu gritava em cada contração(nunca imaginei que ia ficar feliz em gritar. Saber que eu podia fazer qualquer coisa sem ser repreendida era maravilhoso), respirava no seu colo após cada momento... Pouco tempo passou até sentir o primeiro puxo...
Cara, que momento foi aquele...
"Ela tá chegando" eu pensei...
Vi Sabrina e a equipe passando com água quente pra temperar a água da piscina... Mais puxo...
"Gente, não vai dar tempo de esquentar a água, já tô com puxo"
Alguém respondeu que ia dar tempo sim... Outro puxo e eu grito... "Tá nascendo"...
Luana diz que dá tempo de ir pra piscina... Vitor me levantar com calma, andamos olhando um pro outro até a piscina... Entrei na água, busquei minha posição de 4 apoios e só deixei meu corpo agir... Mais puxo... Sinto ela descendo devagar... Lembro de não fazer muita força pra não lacerar... Tento controlar os puxos... Sinto o famoso círculo de fogo (queima, e muito, mas não grito, apenas sinto)... - Já tinha vivido outros 3 partos e NUNCA consegui vivenciar cada fase tamanha foram as interferências e violências sofridas-
Dessa vez estava vivendo intensamente cada momento, sentindo cada mudança que meu corpo sofria para a chegada da Ana...
Mais puxo, sinto a cabeça dela sair... Respiro... Mais um puxo e ela escorrega pra fora de mim... Passa uns segundos, respiro aliviada, olho pra trás e ela está no colo do Vitor... Ele pegou nossa filha e a recebeu em seus braços...
Alguém me ajuda a virar de frente pra eles e ele a coloca em meus braços... Emoção define o momento... Ninguém ia tirar ela de perto de nós... Não consigo chorar, apenas sorrir... Realizados ficamos ali, cheirando e beijando nossa cria. Trocando juras de amor, pq nós somos assim... Deus nos fez assim... Passamos a ser um só coração.
Um tempo ficamos ali, como se fôssemos apenas nós 3 no mundo... Ana deu um chorinho forte, só pra avisar que chegou e aconchegada ficou nos meus braços.
Resolvi sair da piscina, pq não deu tempo de temperar a água direito, e pra ela estava ficando frio...
Levantei com ela no colo, marido e equipe ajudando... Sentei na banqueta pra esperar a placenta nascer...

Não existe explicação para o sentimento que explodia em meu peito... Eu consegui, driblei esse sistema maldito que machuca mulheres e afasta bebês...
Meu marido pôde acompanhar o nascimento da nossa filha, pode pegar ela no colo, pode compartilhar comigo toda a emoção de trazemos juntos, a nossa filha ao mundo...

Fiquei ali na banqueta, curtindo minha cria, minha filha da promessa, meu presente de Deus... Ela mamou nos primeiros minutos de vida... Pude ali, curar todas as minhas dores, todas as minhas mágoas, todo o sofrimento que passei nos outros partos... Me libertei de todos os meus fantasmas, todos os meus receios... Tudo ficou no passado...
Meu coração estava explodindo de amor...

Sabrina acompanhou tudo, ajudou muito a equipe, se emocionou ao ver a irmã nascer... Pra quem não queria acompanhar, ela foi super presente... Espero que esse momento fique marcado em seu coração eternamente.
Samuel não participou muito, seu tempo foi respeitado... Só veio ver a irmã depois que o papai foi chama-lo no quarto, e ainda esperou dar comercial no desenho que ele estava vendo .

Placenta nasceu menos de 30 minutos após a Ana... Ela ficou ligada a placenta no colo do papai enquanto fui tomar banho...
Indescritível a sensação de tomar um belo banho após o parto, principalmente no meu próprio chuveiro, rs,  deitar na nossa cama, no nosso quarto, o nosso ninho... Não tem nada melhor no mundo...
Tive uma pequena laceração que não precisou de pontos, tinha pavor de lacerar tudo lá em baixo, rs.

Ana recebeu todos os cuidados da equipe... Pesou 3,120 kg e 50,5 cm, apgar 9/10, papai cortou o cordão, vestiu nossa princesa e ela voltou para os meus braços...

Dessa vez o relato não demorou anos pra ficar pronto... Precisava contar para o mundo que nós conseguimos... Que apesar de todas as dificuldades nós conseguimos driblar o sistema...

Que nossa filha da promessa veio pra curar todas as minhas feridas...
Que ela veio pra encher nossa vida de alegria...
Que ela veio mostrar que nós podemos mudar nossa história...
Que ela veio pra mostrar quão grande é o nosso Deus.

Agradeço imensamente a minha equipe por ter estado conosco desde o início... Essa mulherada da porra vai estar pra sempre nos nossos corações. Gratidão eterna.

Flávia Casciano, não tenho palavras pra agradecer... Os momentos registrados ficarão marcados eternamente em nossas vidas... Parabéns pelo trabalho belíssimo, Deus abençoe esse talento maravilhoso.

Agradeço a minha tia Waldelia Carmo por todo o suporte nos momentos difíceis e por todo apoio de sempre.

Meu marido querido e amado Vitor Da Ana... Não existe nenhuma palavra no mundo capaz de descrever quão grande é o meu amor por você... Te agradeço por ter embarcado nessa jornada comigo, por toda dedicação, carinho, respeito e paciência que vc teve e tem comigo. Te amo incondicionalmente... Ninguém jamais amou alguém como eu te amo.

Minha eterna gratidão ao nosso Deus... O SENHOR das nossas vidas.
Sem tua presença nada somos meu Deus. Te agradeço por tudo hoje e eternamente.

Ana do Vitor
Doula
Mãe da Lohana Jessica (18), Sabrina Carmo(11), Samuel Davi(06) e da Ana Vitória que nasceu num lindo parto domiciliar e me fez renascer como mãe, esposa e mulher.